Saudades da infância

Era uma simples e ampla casa de periferia. Bem na frente havia um belo jardim com um pinheiro que sempre ganhava luzes coloridas no natal. Nos fundos um quintal enorme se estendia desde a porta da cozinha até a divisa do terreno. Nele muitas árvores frutíferas, uma cisterna antiga com sarilho e uma bela horta eram o cenário da nossa infância feliz em uma cidade que não parecia, na época, tão grande; em um tempo que parecia passar lentamente.

Havia naquele lugar um ar constante de tranquilidade, um clima interiorano, com poucas moradias e muito verde. Havia também muitas árvores e gramados onde crianças passavam o dia escorregando pelos barrancos em caixas de papelão. Brincadeiras de piqui esconde, tirolesa, queimada…

Não existiam ainda os brinquedos tecnológicos de hoje em dia. Cada garrafa, caixa ou meia velha, se transformava em um super artefato de pura diversão.As mães, entre um afazer e outro, monitoravam as brincadeiras cuidando para que ninguém se machucasse ou botasse fogo na vizinhança… Usando os velhos sarilhos, tiravam água das cisternas para os afazeres domésticos, para cozinhar e regar a horta no quintal.

À noite, debruçados sobre as cercas ou sentados nas varandas, mães e filhos aguardavam ansiosos o retorno do pai ao lar, depois de mais um árduo dia de trabalho.

Embora não goste de imaginar minha vida hoje, longe de toda a tecnologia existente, sinto saudades das coisas simples do tempo em que ela não era assim, tão presente em nosso dia a dia: as brincadeiras de rua, as horas em frente ao velho gravador esperando o momento de gravar em uma fita k7 as minhas canções favoritas e as tardes passadas em meio aos livros na biblioteca, fazendo pesquisas escolares, que foram hoje substituídas por poucos minutos de busca no Google.

Saudades da infância

Redatora Freelancer | SEO. Escrevendo principalmente e com muito amor sobre Gestão de pessoas e Marketing digital. Interessada, também, por outros assuntos como literatura, sustentabilidade, plantas artesanato e vida saudável. Apaixonada pela vida!